Só com alimentação regrada é possível prevenir o diabetes?

Tanto para prevenção como para quem busca qualidade de vida com diabetes é preciso compreender os mecanismos em atividade no organismo para garantir o equilíbrio com alimentação e atividade física.

De acordo com o médico endocrinologista e metabologista, responsável pelo Centro Estadual de Atenção ao Diabetes (CEAD), Nelson Rassi, para prevenir a doença é preciso compreender o aparecimento do diabetes em determinado indivíduo, pois é uma combinação de dois fatores essenciais. “Sem esses dois fatores você não desenvolve o diabetes”, diz.

“O primeiro fator é a genética que se herda dos genes do pai ou da mãe. E essa mistura de genes é que faz com que você tenha tendência a desenvolver o diabetes. Não quer dizer que vai desenvolver, mas há uma predisposição para a doença ao decorrer da vida”, diz.

Peso

Outro fator ambiental que corrobora para o aparecimento da enfermidade é o ganho de peso. “Por exemplo, eu nasci, fui desfavorecido com uma combinação genética patena e materna e, no decorrer da vida, eu ganhei peso. O risco, nesse caso e muito maior”, completa.

Para o especialista, o segundo fator – excetuando doenças metabólicas - é a obesidade, que ocorre devido ao excesso de alimentação, ou alimentação errada, no sentido de qualidade e quantidade, além da falta de atividade física. “Em especial, excesso de carboidratos, também”, alerta.

Para o especialista os três fatores: alimentação inadequada, obesidade e falta de atividade física combinados elevam grandemente os riscos de qualquer pessoas desenvolver o diabetes.

Prevenção

Mas, afinal, como se prevenir contra o diabetes? “Já que certas pessoas não podem mexer na genética delas, então trabalha-se com mais cuidado, no indivíduo que tem a predisposição. No momento não temos marcadores genéticos, mas um histórico que tem de ser observado. Se tiver fator genético envolvido a pessoa não pode engordar”, salientou Nelson.

Medicina

Em geral, o corpo precisa sofrer dois fatores para não engordar. “Ou vou fazer muita atividade física, vou ser um atleta, fazer três ou quatro horas de atividade física, diária, ou, então eu faço uma dieta extremamente rígida”, salienta.

Rassi diz que sem a atividade física a pessoa fica com uma alimentação muito restritiva: “Isso é comer muito pouco, pouco carboidrato e ai não engorda”.
Na avaliação do médico, o mais sensato é a combinação das duas coisas: fazer um pouco de atividade física rotineira, regular, e uma dieta equilibrada. “Nada de exagero em nenhum dos extremos”, aconselha.

Uma alimentação bem distribuída possui pouco carboidrato, pouco sal e pouca gordura. Com a atividade física o esquema fica perfeito.

Mas é de todo compreensível que manter essa rotina nem sempre é possível todos os dias. As famosas “escapadas”, “dia do lixo”, festas com amigos, reuniões de trabalho acontecem... Nestes casos, como fazer?

O especialista explica que quem não tem diabetes deve se permitir, em uma refeição semanal, dar as famosas “escorregadas” ao consumir gorduras, massas e doces.

Fora isso, só em ocasiões especiais e bem espaçadas. “Se a pessoa tem uma rotina muito festiva tem de resistir ao exagero e manter a combinação de uma vez por semana”, alertou.

Agora, para quem tem diabetes recomenda: “A orientação é personalizada e o especialista que acompanha a pessoa sabe como manejar adequadamente essa situação de forma particular”, explica.